Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Antes de mais nada, cumprimento o Presidente Macri e o Governo argentino pela impecável organização desta Cúpula. É sempre uma alegria vir a Buenos Aires.

Reúne-nos aqui preocupação incontornável: garantir que mais e mais pessoas tenham acesso aos benefícios da globalização.

A verdade é que, hoje, a globalização é fonte inegável de oportunidades. Mas é também fonte de ansiedade para parcelas significativas de nossas populações. Infelizmente, não são poucos aqueles que, sem acesso a capacitação adequada, alijados das inovações tecnológicas, sentem um legítimo mal-estar: mal-estar diante das mudanças no mercado de trabalho, das mudanças em nossas sociedades.

Surge, aí, a tentação de soluções que podem soar simples, mas são ilusórias. Pois há que resistir. Há que recusar as aparentes facilidades do protecionismo, do isolacionismo. O caminho que nos cabe trilhar é o caminho que leva adiante, não o que volta atrás.

Esta a escolha fundamental: ou cedemos e nos fechamos em nós mesmos, ou atuamos para que nossos jovens, trabalhadores e empreendedores tenham efetivas condições de integrar-se a uma economia cada vez mais interdependente.

Quero reafirmar que a escolha do Brasil é pela integração de todos às possibilidades de um mundo crescentemente interconectado. É por garantir que nossos cidadãos estejam preparados para os novos tempos – tempos que já chegaram.

No Brasil, levamos adiante ampla reforma do Ensino Médio, ajudando nossos alunos a perseguir sua vocação. No mesmo sentido, aprovamos estratégia de transformação digital que tem por pilares o treinamento e a qualificação.

De igual modo, modernizamos nossa legislação trabalhista. Temos agora arcabouço jurídico compatível com mercados de trabalho mais dinâmicos e flexíveis.
Cumpre estarmos especialmente atentos para a questão da mulher neste mundo de intensas transformações. Ainda, sem dúvida alguma ,perduram desigualdades de gênero inaceitáveis no mercado de trabalho.

No Brasil, combatemos essas desigualdades com sentido de urgência. Esta semana mesmo, instituímos novo Sistema Nacional de Políticas para as Mulheres – sistema cujo eixo central é, precisamente, a capacitação profissional das mulheres.

Mas, aqui, como em tantas outras frentes, a cooperação internacional é chave. No G20 e em outros foros, cabe-nos agir em conjunto para aprimorar nossas políticas de inclusão, para assegurar que ninguém, ninguém mesmo, ficará para trás.

Muito obrigado.

Fim do conteúdo da página