Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página
324

Os ministros de Relações Exteriores de Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai e Peru, reunidos em Nova York em 20 de setembro de 2017, em seguimento à Declaração adotada em Lima:

1. Reafirmam o conteúdo e a validade da Declaração de Lima e seu compromisso de redobrar esforços para alcançar uma solução pacífica e negociada para a crise que enfrenta a Venezuela.

2. Lamentam que se mantenha a ruptura da ordem democrática na Venezuela, já que seu governo viola as normas constitucionais, a vontade do povo e os valores interamericanos, reprime a dissidência política, mantém presos políticos e viola os direitos humanos e as liberdades fundamentais das pessoas.

3. Condenam a repressão e a perseguição política na Venezuela, inclusive a decisão da Assembleia Nacional Constituinte de processar líderes opositores por "traição à pátria".

4. Reconhecem a contribuição e compartilham a preocupação do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, expressa no relatório "Violações e abusos dos direitos humanos no contexto dos protestos na República Bolivariana da Venezuela de 1º de abril a 31 de julho de 2017".

5. Reiteram o seu pleno apoio e solidariedade com a Assembleia Nacional democraticamente eleita, bem como o seu compromisse com o não reconhecimento dos atos emanados da Assembleia Nacional Constituinte e em manter a aplicação da Carta Democrática Interamericana à Venezuela.

6. Reiteram sua vontade de contribuir para criar, em coordenação com organizações internacionais e outros países, um canal de assistência para enfrentar a crise humanitária que aflige o país.

7. Reconhecem a iniciativa da República Dominicana de reunir o governo e a oposição venezuelanos, bem como a decisão de ambos os lados de convidar alguns países a acompanhar esse processo. A esse respeito, reiteram que, para alcançar resultados positivos, tais abordagens devem ser desenvolvidas com boa fé, regras, objetivos e prazos claros, bem como garantias de conformidade, esforço para o qual é essencial o acompanhamento internacional.

8. Reafirmam o seu empenho em acompanhar atentamente a situação na Venezuela em nível de ministros de Relações Exteriores até o restabelecimento completo da ordem democrática naquele país e, com esse fim, se reunirão em outubro próximo no Canadá.

Fim do conteúdo da página